Um Guia para Músicos de Como Fazer Uma Live

Quem sabe faz na Live: um guia com passos rápidos e fáceis de como transmitir seu som ao vivo nas redes

Um Guia para Músicos de Como Fazer Uma Live

Os streamings ao vivo, conhecidos como “lives”, não vieram para substituir a experiência de um show ao vivo, mas é um veículo com lógica própria e que tende a engajar muito os fãs.

Neste post, a gente vai falar um pouco sobre a história das lives, e também te dar umas dicas bem úteis de como começar a fazer lives. E, mesmo que você já tenha entrado na onda das lives, pode ter certeza que nossas dicas vão te ajudar a dar um salto de qualidade!

O que são os streamings ao vivo, as famosas “lives”?

Um streaming ao vivo, ou live, é a produção de uma mídia (vídeo, áudio ou vídeo com áudio) que é transmitido ao mesmo tempo em que é gravado. A diferença entre uma “live” e um streaming, é que o streaming é a transmissão de um produto que já foi gravado, e que pode ser acessado sob demanda. É só pensar em assistir um programa na Netflix ou no Hulu.

Streaming ao vivo, ou live — que é gravado durante a transmissão — tem uma vantagem a mais para o público que está assistindo e para os artistas que estão se apresentando: rola um clima de “tudo pode acontecer”, a mesma espontaneidade de um show ao vivo. E, já que a maioria das plataformas permite que os espectadores participem com mensagens, uma live pode ter mais interação com o público do que um show ao vivo. O público pode dar pitacos, e fazer coisas que não conseguiriam em um show (dado o barulho da platéia e tal).

Todo esse ânimo e essa interação foram alguns dos fatores que fizeram das lives um jeito tão popular de conectar os artistas com os fãs, que estão ávidos para ouvir música ao vivo. Esse tipo de evento pode ser até melhor que um show, para alguns dos fãs, se eles não querem estar em pé no meio de uma multidão, roçando em costas suadas para ver sua banda predileta. Em vez disso, o público pode ficar jogado no sofá, no conforto de seu próprio lar.

Uma breve história da live

Você sabia que a primeira transmissão ao vivo por streaming, ou live, aconteceu 27 anos atrás? Você sabia que foi um show de música? Em 24 de junho de 1993, a banda de rock de garagem Severe Tire Damage, da Califórnia, tocou no Xerox PARC para funcionários da empresa de máquinas de fotocópia. Nessa época, os engenheiros da Xerox estava desenvolvendo um sistema de transmissão chamado Mbone. Os cientistas decidiram, então, que iam testar a nova tecnologia com o show do Severe Tire Damage’ para os funcionários da firma, e conseguiram até mandar o link da transmissão para os seus colegas na Austrália, e assim testar a capacidade do Mbone.

O próximo grande passo no desenvolvimento das lives veio 15 anos depois, quando o YouTube promoveu o YouTube Live em 22 de novembro de 2008. Esse show teve apresentações de artistas pop como will.i.am e Katy Perry, e serviu para comemorar as “celebridades do YouTube”, o que na época era um conceito novo: de pessoas que podiam ficar famosas fazendo vídeos em casa

Por mais que tenha sido anunciado como um evento que seria anual, o YouTube Live acabou sendo uma experiência que aconteceu uma vez só, e que já tinha sumido da internet em 2011. Pois, veja bem, muitos dos artistas nunca tinha tocado em uma live antes, e o casamento de estilos de música tão diferentes com uma série de dificuldades técnicas fez com que o produto tivesse um desempenho abaixo do desejado, o que levou o YouTube e o Google, que então havia comprado a empresa, a desistir da ideia de fazer um evento anual como esse.

Mas faz 12 anos que isso aconteceu. E muita coisa mudou no consumo de vídeos das pessoas, e agora o streaming ao vivo veio para ficar. Então, como a gente pode fazer lives que evitem os erros do passado?

Por que eu deveria fazer lives das minhas músicas?

Se você nunca fez uma live, a maior questão antes de começar é: por que me arriscar? Por que peitar a treta que é tentar aprender tudo sobre iluminação e sobre ângulos de câmera, para tentar capturar o máximo de espectadores o possível?

A resposta mais simples vem do mantra da música Field of Dreams: Se você construir uma coisa bonita, as pessoas virão até você… Digo, se você fizer uma live com coisas bonitas, as pessoas vão assistir. As pessoas que amam música querem consumir vídeos mais do que nunca. As pessoas só conseguem assistir aos mesmos episódios de The Office algumas vezes, antes de ficarem morrendo de vontade de assistir alguma coisa nova, e um show ao vivo é mais animado do que um programa da Netflix ou do Hulu.

E não são só os seus fãs que vão aparecer na sua live. Neste momento, muita gente que pode vir a se tornar seu fã está fuçando no YouTube, atrás de vídeos novos. Eu posso confessar que descobri alguns artistas, de quem nunca tinha ouvido falar, depois de ver participações deles em lives. É capaz que eu fosse encontrar esses mesmos artistas e bandas em uma playlist do Spotify ou por recomendação de um amigo? É capaz. Mas encontrá-los pessoalmente (e virtualmente), em um ambiente super pessoal, tipo a cozinha da casa deles, foi um contato bem pessoal. Pude conhecê-los rapidamente. E o ouvinte ama isso..

Além de toda a espontaneidade e diversão que as lives propiciam, existem outros benefícios de fazer uma live:

  • Lives frequentes permitem que você mostra ao público músicas de diferentes momentos da sua carreira, e também que use outros talentos, como a contação das histórias por trás das músicas.
  • Conteúdo de vídeo nativo (aquele conteúdo que NASCE DENTRO da plataforma, em vez de levar para outra plataforma) é o predileto do algoritmo.
  • Muitas plataformas avisam ao seu público quando você começar uma live.
  • Fazer lives com frequência vai te dar a oportunidade de oferecer seus produtos (CDs, camisetas etc) várias vezes para o público, sem parecer apelativo;.
  • A facilidade que é gerar conteúdo com lives vai permitir que você esteja presente em redes sociais sem precisar criar posts para todos os canais
  • Conteúdos de lives podem facilmente ser editados para depois virar posts ou vídeos.
  • Lives podem funcionar como um complemento para anúncios que você esteja veiculando em redes sociais, e fidelizar o público que te conhece primeiro por uma propaganda

E como eu faço uma live?

Agora que já estamos convencidos das coisas boas que uma live pode trazer para a sua carreira, vem a grande pergunta: como fazer uma live? Ainda bem que não é preciso ter muita coisa.

Eis uma lista das poucas coisas necessárias para uma live:

  • Webcam (se você for usar um computador no lugar de um celular)
  • Microfone
  • Uma internet decente
  • Iluminação, se for o caso (ou só uma janela e luz natural mesmo)
  • E, é claro, os instrumentos musicais que você for usar

O ambiente em que você vai fazer a live também é bem importante. Eis algumas coisas para levar em conta:

  • Um lugar silencioso: microfones captam quase todo e qualquer barulho, então escolha um lugar sem barulho ambiente. Ninguém quer ouvir um carro acelerando na rua da sua casa, enquanto você está cantando
  • Acústica de qualidade: você não vai querer tocar numa sala enorme e cheia de eco, ainda mais se for usar amplificadores.

(Tá pensando em construir um estúdio caseiro, sem gastar muito? A gente te ajuda com toques!)

E é isso aí! Você só precisa disso para fazer um som ótimo na live. Mas a segunda parte de “como” fazer é…

Quais são as melhores plataformas para fazer lives?

Com a popularização das lives, apareceram várias plataformas onde você pode fazer e transmitir vídeos ao vivo. São tantas opções, na real, que escolher uma delas pode ser desesperador. Para simplificar sua vida — e levando em conta que esse é um guia para principiantes — nós só vamos falar das opções gratuitas.

Sim, tem plataformas de live que cobram, mas pense que seu público está trancafiado em casa, e muita gente está sem grana. E essas pessoas também já estão confortáveis usando as plataformas que ELAS escolheram para usar, então é bom você correr atrás.

Eis as melhores opções de plataforma para fazer lives de graça:

YouTube Live

Quando a maioria das pessoas pensa em vídeos na internet, pensa no YouTube. Dos Youtubers aos memes, passando por assuntos de nicho, o YouTube é o lugar reconhecido por ter tudo de vídeo.

O YouTube continuou testando sua  capacidade de fazer streaming ao vivo, depois daquele primeiro experimento em 2008, e promoveu shows do U2 em 2009 e uma conversa com Barack Obama em 2010. Mas a verdadeira revolução dessa mídia foi em 2012, quando o YouTube transmitiu ao vivo as Olimpíadas de Londres, e depois de uns meses também fez uma live com o salto de Felix Baumgartner, que quebraria recordes e entraria para a história. Finalmente, em maio de 2013, o YouTube Live passou a permitir que todos os usuários também fizessem lives.

Você só precisa preencher dois requisitos para fazer uma live no YouTube:

Depois que você preencher esses requisitos, vai poder começar! O YouTube oferece um guia bem útil na sua central de dúvidas (Help Center), e que explica como começar a usar cada ferramenta.

Prós:

  • Todo mundo conhece o YouTube
  • O YouTube emite uma notificação a cada vez que você começa uma live

Contra:

  • Essas duas regras para poder fazer lives

Instagram Live

O Instagram Live é, na verdade, uma função extra dos Instagram Stories. A diferença de um vídeo no Instagram Live é que os stories são gravados antes e depois postados, enquanto um vídeo feito no  Instagram Live é, bom… uma live.

Para começar seu vídeo, é só ir até a função Stories (a câmera  no canto superior esquerdo), arrastar para a esquerda e clicar em “start live video” (ou “começar live”). A partir daí, o Instagram vai avisar os seus seguidores que você entrou ao vivo.

Prós:

  • O Instagram Live permite que você faça uma transmissão ao vido de até uma hora
  • O Instagram está ficando mais popular que o Facebook, especialmente entre pessoas mais jovens.

Contra:

  • Você não pode fazer live do computador, só do celular

Facebook Live

Assim como o Instagram, o Facebook é uma rede social poderosíssima, e os dois têm algumas coisas em comum. Mas uma diferença importante para você, que vai transmitir a live, é que você pode usar tanto o telefone quanto o computador com o Facebook Live. Já que o Facebook também oferece essa possibilidade, você pode usar uma webcam em vez da câmera do seu telefone. E isso vai facilitar sua vida, já que você não vai precisar de um tripé ou de um pedestal para o seu telefone.

Prós:

  • O Facebook ainda é uma rede social de sucesso imenso, com bilhões de usuários
  • Notificação para os seguidores quando uma live começa

Contras:

  • Os vídeos que ficam arquivados, depois da live, são de qualidade pior do que os do YouTube

Twitch

O Twitch é diferente das outras plataformas de streaming porque é a única que nasceu especializada em lives. E, sendo assim, seu público já está acostumado com esse formato. Por mais que ainda seja mais conhecida pelas transmissões de pessoas jogando videogame, o Twitch hoje tem vários estilos de lives, e a categoria Música é uma das maiores.

O Twitch tende a ter um público mais jovem, e o clima dos vídeos é o mais casual de todos. E também oferece um esquema de gorjeta virtual. Os espectadores podem se inscrever no seu canal e, se eles curtirem seu conteúdo, podem te dar gorjeta em tempo real, e você será notificado.

Para ter mais dicas de como usar o Twitch, confira nosso guia de como músicos podem usar o Twitch, feito pela blogueira Karen Allen.

Prós:

  • O app é muito popular com jovens
  • Sistema de gorjetas incluído no aplicativo

Contras:

  • Ainda não é uma plataforma tão popular quanto o Facebook e o YouTube, para muitos públicos

Zoom

Você possivelmente conhece o Zoom por causa das reuniões (e das piadas de reuniões) que rolaram durante a quarentena. O Zoom é o aplicativo de vídeo mais popular para reuniões virtuais, mas também é uma ótima opção para fazer lives.

As lives no Zoom depois ficarão salvas no YouTube Live ou no  Facebook. Então, se você já usa o Zoom o dia inteiro para trabalhar e gosta dessa plataforma, é uma opção fácil.

Você também pode cobrar ingressos para a sua live no Zoom usando o Bandzoogle.

Prós:

  • Muitos usuários já estão familiarizados com o Zoom por conta do trabalho, então podem achar uma plataforma confortável para ver vídeos

Contras:

  • Não tem a mesma flexibilidade e opções das outras plataformas

Outras opções

  • OBS Studio é um app de “open source”, ou seja, de código livre, e por isso grátis, que permite montar uma transmissão, para depois ser transmitida como live em qualquer das plataformas acima
  • restream.io permite que você faça lives em várias plataformas ao mesmo tempo, então você não precisa escolher só uma!

Que som eu devo tocar na minha live?

Agora que o “por quê” e o “como” já estão respondidos, chegou a hora da grande pergunta: o que é para tocar na live? Se for sua primeira vez, é natural que você opte por músicas suas. E esse é um ótimo jeito de começar! Você vai poder apresentar seu trabalho para as pessoas que não conhecem e relembrar os seus fãs de por que eles curtem sua música. Atraia as pessoas com músicas do seu repertório, e quem sabe termine com um cover ou até dois.

Use a criatividade nas próximas lives

Aqui vão algumas ideias para você levar em conta depois de já ter feito algumas lives:

  • Aulas de composição: você ama escrever música? É seguro afirmar que uma parte dos seus fãs são músicos em estágio de formação. Faça uma live em que você compõe uma música com a ajuda do seu público. Pode ser uma música que você já tenha começado, ou algo novo. Aproveite e mostre como trabalho em equipe funciona.
  • Perguntas e Respostas: siga o exemplo do Obama e faça uma sessão respondendo a perguntas dos seus espectadores. É um tipo de interação divertida e que não exige preparo, afinal você vai ser você mesmo. É um jeito de exercitar espontaneidade e permitir que os fãs te conheçam um pouco melhor..
  • Masterclasses: você manda muito bem na bateria ou na guitarra? Talvez toque um instrumento exótico melhor do que qualquer um? Faça uma masterclass e mostre todos os seus segredos para o público. As pessoas querem aprender com os melhores, então mostre seus dons.

Quanto tempo deve durar minha live?

Não existe uma só resposta para essa pergunta. Vai depender de vários fatores, tipo seu estilo musical, a plataforma que você escolher usar e quem é seu público.

Determinar a duração das suas lives é uma questão de aprendizado. Algumas plataformas vão te dar dados de audiência que vão te permitir saber quando é o ponto mais alto das suas transmissões, e quando o interesse por ela vai baixando. Se você perceber que seu público está indo embora depois de determinado ponto, talvez seja a hora de parar logo depois dele, ou de pelo menos mostrar o que você tem de melhor antes de as pessoas irem embora..

Como eu ganho dinheiro com as minhas lives?

Fazer lives pode aumentar seu público e te colocar em contato com seus fãs, o que pode aumentar o dinheiro que sua música vai gerar em plataformas de streaming e também nas vendas de produtos ligados à sua música. Mas você também pode lucrar diretamente com as lives. A gente já falou sobre a ferramenta do Twitch que permite dar gorjetas para o artista, mas o que rola nas outras plataformas?

Aqui vão algumas dicas de como lucrar com plataformas de live:

  • YouTube Live: Você pode optar por colocar anúncios nas suas lives, assim como você monetizaria um vídeo normal do YouTube. Você também pode criar uma assinatura mensal para o seu canal e oferecer recompensas para os espectadores que virarem assinantes. E, é claro, existem os bons e velhos paypal.me e Venmo, para as pessoas que quiserem contribuir contigo. É só criar um link, deixar na descrição do seu vídeo e avisar o pessoal durante a live.
  • Facebook e Instagram: Já que as duas plataformas têm uma sinergia uma com a outra, a solução para as duas é a mesma. Você pode colocar um link que leve para o seu perfil no PayPal.me ou no Venmo no seu username, ou seja, no apelido que vai aparecer em todos os seus posts. Faça isso no Facebook Live colocando um comentário com o link acima de todos os outros, e coloque o link na sua bio do Instagram. O Facebook também começou a oferecer um sistema de gorjetas chamado Facebook Stars.

Sete dicas essenciais para lives

Antes de a gente encerrar por aqui e te deixar em paz para começar sua jornada no mundo das lives, vamos ainda oferecer umas dicas. Lembre-se delas quando for preparar suas lives:

  1. Aperte logo o botão GO LIVE, para começar uma live— Se você nunca fez uma live antes, é normal que bata um nervosismo. Pode ser que você mande mal. Você vai passar perrengue. Vai rolar constrangimento. Então manda bala. A cada vez que você fizer uma live, vai melhorar. Mas não dá pra ser excelente de primeira.
  2. Não é um show DE VERDADE — Uma Live é mais descontraída e interativa que um show físico, em que seu público está em silêncio ouvindo a música. Então… seja mais descontraído e interativo.
  3. Você não tem que se preocupar com a qualidade da produção — De novo, uma live não é um show. Seu quarto bagunçado pode ser um cenário melhor para uma live do que um estúdio chique, porque passa a impressão de vida real.
  4. Faça perguntas depois do primeiro refrão, ou da primeira música — Depois que a live começar, toque um pouquinho e depois já comece a engajar seu público, incentivando as pessoas a deixarem comentários. Isso vai mostrar engajamento, o que vai fazer com que a plataforma mostre sua live para mais gente.
  5. Faça alguma coisa que chame a atenção logo no início — Nossos olhos já estão acostumados a lives que são só uma pessoa segurando um violão. Em 2019, quando o Chris Robley, que trabalha aqui na CD Baby, estava fazendo muitas lives, ele começava as transmissões segurando uma alpaca de pelúcia na frente da câmera e falando com uma voz esquisita. Como disse um espectador: “Eu queria ver aquilo para entender o que diabos ele estava fazendo, porque parecia que ele estava segurando uma escova de privada na frente da câmera.”
  6. Junte-se a outras pessoas — Algumas plataformas permitem que você faça lives com outras pessoas, então você pode fazer um feat, ou até um mini-festival.
  7. Nem toda live precisa ser um show— Você pode contar histórias, fazer perguntas, mandar umas palhaçadas, ensinar as pessoas a fazer algo… Tem muito mais coisa além de só tocar música.
  8. Comece e, acima de tudo, DIVIRTA-SE. As pessoas precisam de leveza neste momento difícil, agora mais do que nunca. Pode ser trabalhoso montar uma live, mas você precisa se divertir o tanto quanto seu público (ou quem sabe ainda mais).

Nos conte nos comentários qual plataforma você utiliza!


[hana-code-insert name=’Marketing Guide’ /]

3 Comentários

  1. Pingback : O Dicionário Moderno da Música | SomosMúsica

Comente

Seus email não será publicado.